Quem pensa que a vida do profissional de Turismo é uma sucessão de viagens, passeios e festas está muito enganado. Essa é uma das profissões que mais exigem em termos de dedicação e estrutura física e emocional. Tudo deve ser feito com muita precisão e com prazos muito justos. E, principalmente em início de carreira, é preciso agüentar muitas vezes horas e mais horas em pé, atrás de um balcão.

Esse bacharel planeja, organiza, promove e divulga viagens, eventos, exposições e atividades de lazer e negócios. Trabalha em agências, operadoras e sites turísticos. Comanda a venda de passagens, a reserva de hotéis e a programação de passeios e excursões. Pode atuar, ainda, em hotéis, empresas de transporte ou de eventos e em empreendimentos de lazer, como parques temáticos.

Em órgãos públicos, como secretarias municipais e estaduais de Turismo, coordena a exploração turística de determinadas regiões. O dia-a-dia exige o domínio de pelo menos dois idiomas – inglês e espanhol.

O ritmo puxado começa ainda na faculdade. Quanto antes o aluno consegue um estágio, melhor para seu futuro. A dica é do gerente regional de vendas da agência CVC, em São Paulo, Roberto Vertemati: “Com o estágio, o profissional ganha experiência e compreende que é preciso batalhar muito para alcançar cargos mais altos”, diz ele.

O currículo inclui várias disciplinas da área de Ciências Humanas, como história, geografia e português, além das matérias específicas, como planejamento turístico. As atividades práticas ganham atenção especial nessa graduação. Nelas, o aluno aprende a organizar passeios e eventos e a implantar e administrar empresas do setor hoteleiro e turístico.

O estágio é obrigatório a partir do terceiro ano. O currículo de cada escola pode variar, com relação à ênfase. Alguns se voltam mais para administração; outros, para aspectos específicos dos setores de hotelaria e turismo. Várias escolas oferecem habilitação para uma área específica, como eventos.